1. Ada
  2. Condições
  3. Infecção aguda por HIV

Infecção aguda por HIV

  1. Visão geral
  2. Riscos
  3. Sintomas
  4. Diagnóstico
  5. Tratamento
  6. Prevenção
  7. Prognóstico

Visão geral

A infecção precoce pelo HIV, também conhecida como infecção retroviral aguda ou primária, é uma condição que se desenvolve de duas a quatro semanas após a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). O HIV ataca as células do sistema imunológico (linfócitos), responsáveis por combater as infecções. Os sintomas são semelhantes a outras infecções virais, como gripe ou mononucleose (febre glandular). Por esta razão, muitas pessoas não percebem que foram infectadas pelo HIV. O exame de sangue é a melhor maneira de confirmar uma infecção pelo HIV. Não há cura eficaz, mas com o tratamento adequado e cuidados médicos, o prognóstico para as pessoas com HIV é bom.

Riscos

O vírus da imunodeficiência humana é transmitido através do contato com sangue, sêmen ou fluidos vaginais infectados. As mulheres com HIV podem passar o vírus para o bebê durante a gravidez, o parto ou, excepcionalmente, pelo leite materno. O HIV pode afetar pessoas com qualquer idade, orientação sexual ou raça. Alguns comportamentos, como compartilhar agulhas para injetar substâncias e fazer sexo desprotegido, podem aumentar o risco de contrair o vírus. O contato físico normal, como segurar a mão, beijar ou abraçar, não transfere o vírus.

Sintomas

Os sintomas típicos são semelhantes a outras infecções virais , como a gripe, e incluem febre, cansaço, aumento dos gânglios linfáticos, dor de garganta, dores de cabeça e dores musculares. Outros sintomas incluem manchas na pele, erupções vermelhas, suor noturno, perda de apetite e perda de peso. Estes ocorrem dentro de 30 dias após a infecção pelo vírus e podem durar várias semanas. Muitas pessoas infectadas pelo HIV não apresentam quaisquer sintomas, ou podem ter sintomas que são leves e não particularmente problemáticos.

Diagnóstico

Fazer o teste de HIV é a única maneira de confirmar o diagnóstico. Pode não ser possível confirmar o diagnóstico nos estágios iniciais da infecção, porque o teste detecta anticorpos (proteínas que combatem a infecção) que combatem o HIV e que são produzidos apenas semanas ou meses após a infecção inicial. Por esta razão, o médico pode recomendar repetir o teste, se o primeiro teste foi feito pouco depois da possível exposição ao vírus.

Tratamento

O HIV é tratado com medicamentos anti-retrovirais, que são medicamentos específicos para o vírus da imunodeficiência humana. A medicação é iniciada algumas vezes, mas não necessariamente, no momento da infecção inicial. As pessoas com HIV ficam mais suscetíveis a outras condições médicas; portanto, beneficiam-se de mudanças no estilo de vida, como alimentação saudável e equilibrada, praticar sexo seguro e reduzindo o estresse. Esta condição muitas vezes exerce um grande impacto emocional e psicológico, de modo que o aconselhamento e o apoio social também devem estar disponíveis durante todo o tratamento.

Prevenção

Praticar sexo seguro, uso seguro de agulhas (inclusive pelas pessoas em certas ocupações, como enfermeiros e tatuadores) e diagnóstico precoce são medidas úteis para prevenir a infecção pelo HIV e a transmissão do vírus a outras pessoas.

Prognóstico

Embora não haja cura para o HIV, a maioria pessoas leva uma vida saudável ​​com a ajuda de medicamentos anti-retrovirais. As pessoas que não são diagnosticadas ficam com o sistema imunológico enfraquecido, têm maior risco de transmitir o vírus a outros e podem acabar desenvolvendo a síndrome de imunodeficiência adquirida (SIDA).