Qualidade médica

Estudos clínicos mostram que a qualidade médica varia entre as diferentes tecnologias de saúde no mercado. Veja como uma abordagem baseada em evidência cientifica pode ajudá-lo a fazer a escolha certa.

O que faz a diferença

Nossos 5 pilares de qualidade médica são a base das nossas soluções empresariais de saúde.

    • Dispositivo médico CE Classe 1 , Classe IIa em processo
    • ISO 27001 (InfoSec Management)
    • Certificação ISO 13485  
    • De acordo com o RGPD
    • De acordo com o HIPAA
    • Líderes de grupos de trabalho: iniciativa de benchmarking padronizada da OMS

Por que a qualidade médica é importante

  • A regulamentação clínica e do setor oferece processos de controle de qualidade objetivos nos quais você pode confiar.

  • Uma boa experiência de usuário significa que as pessoas fornecem as informações certas para obter a orientação certa da tecnologia.

  • Uma cobertura abrangente de condições médicas significa que doenças de alto risco e raras não são perdidas ou diagnosticadas incorretamente.

  • A precisão médica pode ajudar a diminuir os prazos de detecção de doenças e acelerar o tratamento.

  • Aconselhamento com segurança pode ajudar a garantir que os profissionais de saúde vejam os pacientes que mais precisam deles no momento certo.

Como funciona a IA da Ada

Desenvolvida originalmente para dar apoio na tomada de decisões clínicas, nossos médicos criaram Ada para pensar como um médico. A precisão clínica de médicos humanos está no nosso DNA desde o início. Conheça alguns dos nossos especialistas médicos.

Vamos melhorar a saúde juntos.

Continue lendo

Get powered by Ada

Ofereça melhores resultados com soluções empresariais poderosas.

Ver detalhes

Leia estudos clínicos

Siga as pesquisas mais recentes que avaliam o desempenho da Ada.

Ver publicações

Verifique o custo da cobertura

Compreenda os benefícios através dos 3 cenários clínicos do Dr. Baluch.

Leia artigo

  1. Miller, S., Gilbert, et al. JMIR (2020), doi: 10.2196/19713.

  2. Scheder-Bieschin, J., et al. (2020), doi: 10.1101/2020.11.13.20230953.

  3. Gilbert, S. et al. BMJ Open, (2020). doi: 10.1136/bmjopen-2020-040269.

  4. Ronicke, S. et al. Orphanet. (2019). doi: 10.1186/s13023-019-1040-6.

  5.  Morse, K. et al. J Med Internet Res, (2020). doi: 10.2196/20549.