1. Ada
  2. Condições
  3. Transtorno de défice de atenção e hiperatividade (TDAH)

Transtorno de défice de atenção e hiperatividade (TDAH)

  1. Visão geral
  2. Riscos
  3. Sintomas
  4. Diagnóstico
  5. Tratamento
  6. Prognóstico

Visão geral

O transtorno de défice de atenção e hiperatividade (TDAH) é uma condição muito comum diagnosticada em crianças. Crianças com TDAH são frequentemente muito ativas fisicamente e incapazes de permanecer focadas ou controlar seu comportamento. As crianças com TDAH têm dificuldade em se concentrarem em uma tarefa por um longo período de tempo, se distraem facilmente, são incapazes de se sentarem quietas ou em silêncio e mostram um comportamento impulsivo. Ensinar uma criança a gerir seus sintomas pode ser feito de uma maneira informal, por exemplo, incentivando a atividade física e estabelecendo limites estritos em casa, ou formalmente, com a ajuda de professores, terapeutas comportamentais, ou de medicação. Se uma criança com TDAH recebe terapia e apoio, ela pode aprender a gerir seus sintomas.

Riscos

O TDAH em geral é reconhecível antes dos 12 anos de idade, e afeta duas vezes mais os meninos do que meninas. As causas do TDAH não são bem compreendidas. O TDAH parece ter uma tendência familiar, e as crianças que têm parentes com esta condição são mais propensas a também ter TDAH. Crianças que nasceram prematuramente ou que foram expostas a drogas (incluindo álcool e nicotina) antes do nascimento também desenvolvem TDAH com mais frequência do que outras crianças.

Sintomas

Hiperatividade, dificuldades de concentração e comportamento impulsivo são os sintomas mais comuns de TDAH. Podem ser expressos por dificuldade de aprendizagem na escola, tendência a se zangar facilmente ou a se frustrar rapidamente e incapacidade de ficar quieto ou quieta. No entanto, esses sintomas mudam ao longo da infância. Nas crianças mais velhas e adolescentes os sintomas de hiperatividade podem tornar-se menos problemáticos, enquanto que comportamentos impulsivos e os problemas de atenção permanecem.

Diagnóstico

O diagnóstico é geralmente feito através de um especialista em pediatria com experiência no desenvolvimento infantil. O diagnóstico se baseia nos sintomas e na observação da criança com pais, irmãos e, se possível, professores e colegas (ou relatórios dos professores). Um diagnóstico formal é importante porque permite que a família e os professores coordenem seus planos para a gestão do comportamento e da educação da criança.

Tratamento

Apesar de TDAH não ter cura os sintomas podem ser gerenciados. Um acompanhamento dos sintomas, especialmente se cedo na infância, pode ter grande impacto na educação e desenvolvimento do comportamento. É importante que as crianças com TDAH tenham muitas oportunidades de estar ativas e "soltar a energia", de modo que o exercício regular e atividades familiares podem ser úteis. A rotina familiar e estabelecer limites comportamentais rigorosos também podem ser úteis para ensinar a criança a gerir seus sintomas. Existem várias abordagens terapêuticas que treinam uma criança a sentar-se e concentrar-se por um período de tempo. Estas podem ser trabalhadas com um psicólogo infantil ou professores treinados. A cooperação com escolas e professores também é importante, de modo que as atividades possam ser adaptadas à capacidade de atenção da criança. Por último, podem ser usados medicamentos ​​que ajudam a criança a manter o foco por mais tempo do que conseguiria normalmente.

Prognóstico

Se não for diagnosticado ou gerenciado, o TDAH pode afetar os relacionamentos da criança na escola e em casa. Essas crianças podem ser tachadas desde o início como "indisciplinadas" ou "criadoras de problemas". O TDAH muitas vezes persiste na idade adulta, podendo causar dificuldades no trabalho. Se a condição for diagnosticada cedo, é possível que a criança aprenda a gerir seus sintomas, e que o TDAH não lhes cause problemas na escola ou nos seus relacionamentos.