1. Ada
  2. Condições
  3. Diabetes mellitus tipo 2

Diabetes mellitus tipo 2

  1. Visão geral
  2. Riscos
  3. Sintomas
  4. Diagnóstico
  5. Tratamento
  6. Prevenção
  7. Prognóstico

Visão geral

Diabetes mellitus tipo 2 é uma condição em que as células do corpo não respondem bem ao hormônio insulina. A insulina é produzida pelo pâncreas a fim de tornar o açúcar no sangue disponível ao corpo para fornecer energia. Pessoas com diabetes tipo 2 têm um problema para movimentar o açúcar do sangue para as células, fazendo com que o açúcar permaneça no corpo e causando assim altas taxas de açúcar no sangue. Os sintomas do diabetes tipo 2 incluem uma necessidade frequente de urinar, produzindo grandes volumes de urina, cansaço, sensação de sede mais frequente do que o normal, e perda de peso. A diabetes tipo 2 é controlável com uma boa dieta, exercício regular e medicação para reduzir os níveis de açúcar no sangue.

Riscos

O pâncreas é um órgão localizado atrás do estômago e ligado ao intestino. Ele produz substâncias necessárias para a digestão e também hormônios (insulina e glucagon) que regulam os níveis de açúcar (glicose) no corpo. A insulina é importante porque torna o açúcar no sangue disponível para utilização pelo corpo como energia. A diabetes tipo 2 ocorre quando as células do corpo já não respondem à insulina, e como resultado, não assimilam o açúcar. A diabetes tipo 2 é mais comum em adultos mais velhos, apesar de que um número crescente de jovens adultos e adolescentes estão sendo diagnosticados com esta condição. As pessoas que estão com sobrepeso, que têm uma alimentação com alto teor calórico e que não fazem exercício físico regularmente são mais propensas a desenvolver esta condição. Pessoas que têm um membro da família com diabetes tipo 2 podem ser mais propensos a desenvolver esta condição. As mulheres que tiveram diabetes durante a gravidez também podem ser mais propensas a desenvolver esta condição.

Sintomas

Os primeiros sintomas são sensação de sede e micção frequente e produção de grandes volumes de urina. As pessoas com diabetes muitas vezes se sentem cansadas ​​o tempo todo, e podem perder peso. Muitos, no entanto, não mostram quaisquer sintomas nos estágios iniciais e são diagnosticados apenas durante testes de rotina. Os sintomas posteriores incluem infecções frequentes (por exemplo infecções da pele ou da bexiga), cicatrização lenta das feridas, visão turva e dor ou dormência nos pés ou nas mãos.

Diagnóstico

O diagnóstico em geral se baseia nos sintomas e exames da quantidade de açúcar no sangue. Se continua não claro se uma pessoa tem diabetes, o diagnóstico é feito através de um teste de tolerância à glicose, durante o qual se ingere uma quantidade medida de glicose, e então as taxas de açúcar no sangue são medidas durante certo período de tempo, para ver se o organismo está assimilando a glicose como esperado.

Tratamento

O tratamento do diabetes tipo 2 visa manter os níveis de açúcar no sangue dentro do interval saudável, para melhorar a resposta do corpo à insulina e para evitar o aparecimento de complicações. Os primeiros passos do tratamento envolvem o aumento de exercício físico, melhora da dieta e manutenção de um peso saudável. No entanto, com o passar do tempo medicação pode tornar-se necessária para reduzir os níveis de açúcar no sangue. À medida que a condição progride, maior educação sobre como monitorar os níveis de açucar no sangue deve ser implementada. Educadores especializados no diabetes podem ajudar a fornecer informações e apoio em todas as fases dos tratamentos. O acompanhamento regular é importante para detectar e prevenir certas complicações do diabetes, como danos aos olhos e aos nervos.

Prevenção

Manter um peso saudável, ter uma alimentação saudável e fazer exercícios regularmente são medidas que podem ajudar a prevenir alguns casos de diabetes tipo 2.

Prognóstico

A diabetes mellitus tipo 2 não pode ser curada, mas com apoio e educação muitas pessoas aprendem a controlar bem sua taxa de açúcar no sangue. Os que têm dificuldades em manter essa taxa sob controle podem desenvolver complicações ao longo do tempo, como visão reduzida, danos nos nervos das mãos e dos pés e doenças cardíacas, entre outras.