1. Ada
  2. Condições
  3. Alergia a alimentos

Alergia a alimentos

  1. Visão geral
  2. Riscos
  3. Sintomas
  4. Diagnóstico
  5. Tratamento
  6. Prevenção
  7. Prognóstico

Visão geral

A alergia alimentar é uma condição na qual o sistema imune reage a certos tipos de alimentos. Os sintomas geralmente ocorrem minutos ou horas após a ingestão do alimento. A reação alérgica pode causar coceira, inchaço da língua, vômitos, diarreia e dificuldade em respirar. Os causadores mais comuns de alergias alimentares são ovos, peixe, leite, amendoim e soja. As alergias alimentares são mais comuns em bebês e crianças. É possível desenvolver alergia a um tipo de alimento que se tinha comido anteriormente, embora isso seja incomum. Algumas pessoas superam a sua alergia com a idade, especialmente alergia a ovos, soja e leite.

Riscos

Muitas pessoas têm intolerância alimentar (tais como intolerância à lactose, intolerância ao gluten, etc.), e não uma verdadeira alergia alimentar. A alergia alimentar ocorre quando o sistema imunológico reage exageradamente a uma substância normalmente inofensiva. Estas substâncias são chamadas de alérgenos ou desencadeantes/gatilhos. As causas mais comuns de alergia alimentar costumam ser ovos, leite, amendoim, soja, peixe, mariscos, nozes (castanha do Pará, nozes de macadâmia, etc.) e trigo, entre outros. Os sintomas de alergia alimentar são mais comumente diagnosticados em bebês e crianças, mas eles também podem aparecer mais tarde na vida adulta. Pessoas que têm familiares com condições alérgicas ou que tem outras alergias, como a febre do feno e eczema, frequentemente também têm alergias alimentares.

Sintomas

Os sintomas de uma reação alérgica geralmente começam 2 horas após comer. Eles podem envolver a pele, o trato gastrointestinal, o sistema cardiovascular e o trato respiratório. Os sintomas incluem urticária, voz rouca, erupções cutâneas, coceira e inchaço (da boca, lábios, língua, garganta e olhos), dificuldade em engolir, nariz congestionado, falta de ar, dor abdominal, náuseas / vômitos e até mesmo colapso cardiovascular.

Diagnóstico

Geralmente o diagnóstico é feito com base nos sintomas e excluindo da dieta o alimento de que suspeitamos, para ver se os sintomas melhoram. Se a causa é desconhecida, ou a exclusão de alimentos específicos não melhora claramente os sintomas, outros testes de alergia, como testes cutâneos e exames de sangue, podem ser úteis no diagnóstico de qual o alimento desencadeante.

Tratamento

As alergias alimentares são geralmente tratadas após a identificação do alimento que as provoca e evitando a ingestão desse mesmo alimento. As pessoas com uma reação alérgica leve podem achar que os medicamentos anti-histamínicos ajudam a aliviar a coceira. Reações alérgicas graves necessitam de tratamento de emergência. Para essas pessoas se pode prescrever o EpiPen ou o Jext usados para injetar adrenalina em caso de emergência.

Prevenção

Conseguir um diagnóstico definitivo de quais os factores que desencadeiam a alergia pode ajudar a evita-los e reduzir ou eliminar completamente os sintomas. Para algumas pessoas, é possível submeter-se a terapia de dessensibilização, o que significa expor o corpo progressivamente ao que desencadeia sua alergia. Isso faz com que o sistema imunológico se acostume lentamente ao que causa a reacção, ajudando a reduzir a gravidade da reação alérgica no futuro.

Prognóstico

Muitas crianças superam as alergias ao leite, soja, ovos e trigo ao atingirem a idade de 3 a 5 anos. A maioria das pessoas aprende a controlar seus sintomas, evitando alimentos que desencadeiam a reação alérgica.