1. Ada
  2. Condições
  3. Transtorno obsessivo-compulsivo

Transtorno obsessivo-compulsivo

  1. Visão geral
  2. Riscos
  3. Sintomas
  4. Diagnóstico
  5. Tratamento
  6. Prevenção
  7. Prognóstico

Visão geral

Transtorno obsessivo compulsivo (TOC) é uma condição na qual a pessoa tem pensamentos e impulsos indesejados, persistentes e muito fortes. Esses pensamentos costumam envolver preocupações ou medos irrealistas . Muitas pessoas sabem que seus pensamentos e impulsos são irracionais e não realistas, mas não conseguem evitá-los. Isso pode levar a conflitos consideráveis ​​que interferem na vida diária. Tratamentos psicológicos como terapia comportamental ou medicações podem ajudar a aliviar os sintomas na maioria das pessoas.

Riscos

Transtorno obsessivo compulsivo (TOC) é uma condição na qual a pessoa tem pensamentos e impulsos indesejados, e persistentes. A causa do TOC não é clara, mas é provável que a personalidade e as circunstâncias de vida se combinem para aumentar as chances da pessoa desenvolver esta condição. O estresse psicológico é um fator de risco, de modo que fatos como desemprego, divórcio e abuso na infância aumentam o risco de desenvolver TOC. Cerca de 2 em cada 100 pessoas terão TOC em algum momento da vida. Essa condição afeta igualmente homens e mulheres, e embora seja mais comum na idade adulta, pode afetar pessoas de qualquer idade.

Sintomas

Os sintomas do TOC são a obsessão e as compulsões. A obsessão consiste em pensamentos persistentes e invasivos. Algumas pessoas relatam que seus pensamentos ficam 'dando voltas'. Esses pensamentos muitas vezes causam preocupação ou ansiedade, ainda que os pensamentos e temores não sejam realistas. Os impulsos são uma forte necessidade de realizar determinadas ações, muitas vezes contra o discernimento da própria pessoa. Os impulsos com frequência se relacionam com a obsessão. Para algumas pessoas executar a ação traz uma sensação de alívio. Outras percebem que, com o tempo, precisam executar aquela ação diversas vezes para conseguir essa sensação de alívio. Exemplos de impulsos comuns são lavar as mãos repetidamente, verificar se os aparelhos estão desligados, fechar e trancar as portas, mas há muitas possibilidades. Esses impulsos e ações acabam interferindo na vida normal, à medida que se tornam mais demorados e complicados. As pessoas com TOC em geral tem vergonha, o que aumenta seu nível de ansiedade.

Diagnóstico

O diagnóstico geralmente é feito por um médico experiente ou psiquiatra com base nos sintomas e uma avaliação psicológica. Uma pessoa só precisa ter ou compulsões ou obsessões para ser diagnosticada com TOC, embora muitas pessoas tenham ambos. O médico deve descartar quaisquer outras possíveis causas dos sintomas antes de fazer o diagnóstico.

Tratamento

O tratamento inclui psicoterapia e, às vezes, a medicação. Um psicólogo ou psiquiatra pode ajudar a desenvolver estratégias para reconhecer e quebrar o ciclo de pensamentos indesejados. Pode-se receitar medicações para ajudar as pessoas cujos pensamentos e impulsos interferem com sua capacidade de iniciar uma psicoterapia. Os grupos de apoio podem ser úteis para ajudar a aceitar o diagnóstico, e aprender estratégias para superar o TOC.

Prevenção

Alguém que dê um apoio forte e confiável pode ajudar uma pessoa com TOC a reconhecer os sintomas de uma recaída e procurar ajuda antes que os sintomas se tornem esmagadores.

Prognóstico

Com apoio e tratamento, muitas pessoas aprendem a controlar os sintomas de TOC e acabam se recuperando. Algumas aprendem a gerir os sintomas, mas alguns sintomas leves podem permanecer no longo prazo. Pode ocorrer reincidência dos sintomas, especialmente em momentos de estresse.