1. Ada
  2. Condições
  3. Câncer do pâncreas

Câncer do pâncreas

  1. Visão geral
  2. Riscos
  3. Sintomas
  4. Diagnóstico
  5. Tratamento
  6. Prevenção
  7. Prognóstico

Visão geral

O câncer de pâncreas é um câncer que se origina no pâncreas, um órgão digestivo localizado na região superior do abdômen atrás do estômago. Esta condição tende a afetar adultos mais velhos e pessoas portadoras de outras condições médicas, especialmente condições do pâncreas. Os sintomas são inespecíficos e muitas vezes ocorrem tardiamente, o que complica o diagnóstico e piora o prognóstico. Essa condição pode levar a uma perda de peso inexplicada, perda de apetite, dores crônicas nas costas e dores no abdômen superior. O diagnóstico é feito por ressonância magnética ou tomografia computadorizada. O tratamento envolve cirurgia, quimioterapia e, às vezes, a radioterapia. Pessoas diagnosticadas nos estágios iniciais têm uma melhor chance de sucesso no tratamento, mas isso não é comum.

Riscos

O câncer ocorre quando células anormais começam a crescer descontroladamente. Estas células destroem as células normais em torno delas, e podem se espalhar para outras partes do corpo. O câncer de pâncreas envolve o pâncreas, um órgão localizado na região superior do abdômen atrás do estômago, que normalmente produz substâncias que quebram as gorduras e hormônios que controlam o açúcar no sangue. O câncer de pâncreas afeta principalmente pessoas entre as idades de 50 e 80, e se torna mais comum com a idade. As pessoas que fumam, que bebem álcool regularmente e que são obesos correm maior risco de desenvolver câncer do pâncreas. Pessoas que têm alguma outra condição do pâncreas, tal como diabetes, inflamação crônica do pâncreas (pancreatite) ou cistos pancreáticos também tendem a desenvolver câncer do pâncreas com mais frequêcia. Em alguns casos, o câncer do pâncreas tende a ocorrer em famílias, e sabe-se que certos genes e certas condições hereditárias específicas aumentam o risco de desenvolvimento de câncer do pâncreas, tais como a síndrome de Peutz-Jeghers.

Sintomas

Frequentemente não há sintomas nos estágios iniciais do câncer de pâncreas. Os sintomas mais comuns desse câncer são dor abdominal, que irradia para as costas, perda de peso inexplicável e amarelamento da pele e olhos. Outros sintomas comuns são náuseas, perda de apetite e constipação. Muita gente acha que suas fezes mudam de cor ou consistência e parecem mais pálidas e mais gordurosas do que anteriormente. Entre os sintomas mais raros há problemas de açúcar no sangue e a formação repetida de coágulos sanguíneos nas veias.

Diagnóstico

O diagnóstico baseia-se nos sintomas e um exame clínico da pele e do abdômen que pode revelar amarelecimento da pele e uma vesícula biliar aumentada. Algumas pessoas são diagnosticadas durante a pesquisa pela causa de mudanças em seus níveis de açúcar no sangue. Faz-se um ultra-som, uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética do abdômen para confirmar o diagnóstico, e toma-se uma pequena amostra do pâncreas (uma biópsia) para pesquisa da presença do câncer.

Tratamento

O tratamento depende do tamanho, do tipo específico de câncer e se ele se espalhou no momento do diagnóstico. Estes fatores são utilizados para determinar o estágio do câncer. O tratamento envolve cirurgia, quimioterapia ou radioterapia, ou mais comumente, uma combinação destes todos. O médico que está cuidando pode dar os melhores conselhos em cada caso. Também pode ser útil procurar aconselhamento emocional ou aderir a um grupo de apoio. As pessoas que têm câncer pancreático que não pode ser curado podem receber tratamentos que visam melhorar os sintomas e sua qualidade de vida.

Prevenção

Reduzir a ingestão de álcool e deixar de fumar pode ajudar a reduzir o risco de desenvolver câncer do pâncreas. Manter uma boa saúde, incluindo manter um peso saudável e tomar cuidado para tratar de outros problemas de saúde, tais como diabetes, também pode ajudar.

Prognóstico

O câncer de pâncreas é difícil de diagnosticar, pois não existem sintomas precoces. Por esta razão, a maioria das pessoas são diagnosticadas quando a condição já está nos estágios finais. Isso reduz a chance de se poder curar o câncer.